“Kuduro em Angola ainda é muito estigmatizado”,diz cantora Titica em entrevista

Ela é um dos nomes mais consagrados da música em Angola, a cantora Titica notabilizou-se também fora de seu país ,como a primeira transexual  cantando no estilo musical Kuduro.

Reconhecida por subir nos palcos e levar a dança de um jeito bem peculiar, faz parte da personalidade da cantora que ganhou a sua notoriedade na terra dos brasileiros e de países de língua portuguesa.

Vinda de família humilde, assim como a grande maioria dos profissionais da música, Titica tornou-se o principal símbolo do kuduro e fez em pouco tempo de carreira a reescrevendo a sua própria história.

“Foi uma enorme satisfação”, disse ela ao conceder entrevista exclusiva à revista Mais Abellhudo, ao revelar para o mundo e por ser a primeira transexual de Angola, descobrindo-se da melhor maneira possível no kuduro e como ela ama, entregando-se nos palcos, divertindo-se milhares de pessoas.

Ela é um dos nomes mais expoentes que estará participando da oitava edição do Angola Music Awards 2021, e nessa entrevista ela fala abertamente da relação que tem com a música no Brasil, além de enfatizar que ainda não se sente realizada profissionalmente.

A trajetória de Teca Miguel Garcia,mais conhecida pelo nome artístico de Titica,teve início a sua carreira no ano de 2004 como bailarina do estilo de música Kuduro. Após esse período que durou 7 anos, em 2011, Titica lança o hit “afrikimoto”, com a artista angolana Tuga Agressiva. No mesmo ano Titica lança o seu primeiro álbum solo “Chão”.Desse lançamento faz parte os hits “Chão Chão e “Olha o boneco”.

Foi com esse álbum que a cantora Titica recebeu o prêmio de “Melhor Kuduro do Ano”, no prêmio Top Rádio Luanda 2011 e passando a pisar nos maiores palcos nacionais e internacionais como cantora do mesmo estilo musical.

Já no ano de 2013 pela primeira vez Titica foi convidada especial do Viradão Carioca, no Rio de Janeiro quando esteve pisando no palco principal ao lado de nomes da música popular brasileira,a exemplo de Erasmo Carlos e a banda Sorriso Maroto, lhe rendendo passagem pelo programa Mais Você”, na Rede Globo, além de ter sido destaque em matérias na imprensa brasileira na época.

Logo após o seu regresso ao seu país Angola, Titica foi surpreendida pela ONUSIDA com o convite para ser embaixadora da ONUSIDA Angola ao lado de outros nomes da música angolana.

Ainda no ano de 2013 Titica recebeu na África do Sul a distinção da Transexual mais respeitada da África.

Titica tornou-se a primeira cantora transexual em Angola com reconhecimento fora do seu país no estilo kuduro

“De última À Primeira” é o seu segundo álbum lançado que esteve chegando ao mercado em 2014 e nele a artista faz uma apresentação em uma versão mais madura e com uma maior versatilidade de sua carreira promissora. Titica passou a cantar Kizomba e contou com a participação musical de Paulo Flores e Ary.

Em sua carreira ela recebeu o prêmio Top Rádio Luanda como o melhor Semba do Ano de 2014 sob o tema “Macongo”,elevando cada vez mais seu nome para patamares que poucos cantores de sua êpoca tenha chegado a alcançar.

Da sua biografia,Titica recebeu no ano de 2021,o “Kora Awards”, considerado um dos mais importantes da África.

Já no ano de 2013, ela participa do Festival da Lusofonia na Alemanha e participando também na categoria de “Dez Artistas Mais Interessantes da África.

Em 2015 Titica esteve marcando presença com a sua participação no Festival Internacional da Red Bull, e Festival  “Mês da Cultura Independente” em São Paulo.

Fechando a sua agenda de participações em festivais, a cantora Titica foi um dos destaques dos festivais “Rock In Rio” e “Favela Sound Fest”, ambos realizados na cidade do Rio de Janeiro no ano de 2017.

Em uma recente pesquisa realizada pelo jornal Africano “Okay África”, Titica saiu na relação das 100 mulheres mais “Influentes da África” ao lado de artistas como Angélique Kidjo, Oumou Sangare e outras figuras.

Em princípio, poderemos considerar que a cantora Titica é a versão mais atual da modernidade da música angolana? Ou de que forma você poderia descrever mais sobre sua atuação musical?

Titica.Sim! De um modo geral eu primo pela modernidade e diversificação musical, estar sempre atualizada ao meu estilo, qualidade e diferencial sempre será o meu objetivo.

Quando o seu trabalho musical foi revelado para o mundo.Como você poderia descrever a sensação de ser uma transexual que esteve abrindo portas para demais outras pessoas e gêneros sonharem em conquistarem seus espaços?

Titica.Foi uma Enorme Satisfação, até porque antes só cantava para ter fama, então descobri que sou uma grande inspiração para muita gente, para a comunidade LGBT, pela minha força, coragem, persistência, e a minha trajetória que foi notória pelo povo Angolano, desse jeito comecei a levar mais a sério a minha carreira como cantora.

Ser atualmente a única transexual de maior representatividade no continente africano. O que você tem realizado de sua parte como pessoa pública para que possa diminuir essa questão do preconceito?

Titica.Ser eu Mesma, sei dar cara ao tapa, e me posicionar como uma mulher empoderada, mesmo sendo Trans, mostrando o meu verdadeiro eu sem precisar bater de frente.

Você iniciou a sua carreira no kuduro. De lá para cá o que você classifica que aconteceu de melhor para um maior amadurecimento por cantores e cantoras de kuduro?

Titica.Atualizamos a forma de Cantar, porque antigamente cantávamos todos o mesmo instrumental e cantávamos sem respeitar o Beat era mais adoço e a minha forma de produzir o meu estilo Kuduro é fazer ele mais música para se consumir.

Vários festivais e prêmios já foram conquistados em sua trajetória. Você se sente uma cantora já realizada? Porque?

Titica.Não! Ainda não me sinto realizada ainda há muito por vir, desejo levar o meu nome aos 4 ventos do mundo e representar bem o nosso Kuduro até porque o Kuduro em Angola ainda é muito estigmatizado.

Consta em sua biografia que foi no ano de 2017 a última vez que você esteve participando de festivais musicais, inclusive, “Rock In Rio” e “Favela Sound Fest”, ambos realizados no Rio de Janeiro no Brasil. Quais os motivos que levaram a cantora Titica a se ausentar dos festivais musicais?

Titica.A Pandemia, mas graças a Deus o público Brasileiro são fiéis a minha música e trabalhei também fazendo lives organizadas pelos promotores brasileiros e tenciono voltar e Deus vai querer. 

Recentemente o jornal “Okay África”, divulgou a relação das 100 mulheres mais “Influentes da África”, e você figura nessa relação.

Como recebeu essa notícia e qual o papel que você tem desempenhado como pessoa pública na construção de um mundo melhor?

Titica.Recebi a notícia de bom grado com bastante estima e consideração, o papel, ter uma boa conduta, e saber me posicionar como pessoa.

Música, Representatividade, Prêmios, Festivais e muitas conquistas em sua promissora carreira.  O que a cantora Titica tem vontade de fazer seja na música ou em outra área ?

Titica.Desejo Ser uma criadora de marca, porque graças a Deus sou considerada uma das cantoras bem melhor apresentada por tanto pretendo tirar proveito desse título.

Concorrendo na oitava edição do Angola Music Awards.Como cantora o que espera dessa edição e o que está guardado para ser lançado? Algum projeto musical para esse ano?

Titica.Espero levar um prêmio para casa porque trabalhei arduamente este ano, estou a terminar a minha quarta obra discográfica, que não está ser fácil, pois trabalho de forma independente, ainda o ano que vem terão muitas surpresas.

Nesse período de pandemia,o que você andou estudando,refletindo,analisando ou está ainda em fase de arranjos e quem sabe poderá estar sendo apresentado em um novo trabalho musical seu?

Titica.Fui refletindo que somos todos iguais porque a pandemia afetou a todo mundo ,foquei no trabalho fiz músicas novas , tive sucessos e não tive show, mas continuo a trabalhar arduamente.

Mudando um pouco de assunto.No meio artístico angola, naturalmente se vê cantores participando de algum projeto musical em parceria com algum cantor ou cantora brasileiro.

Na sua carreira teria algum cantor ou cantora no Brasil que você queria ter em uma participação um disco seu? Porque?

Titica.Gostaria de ter a Participação da Ludmila, por ser uma cantora que me identifico bastante com ela por termos uma trajetória parecida, por ser uma mulher negra empoderada no Brasil e não só e também sou fã de vários Artistas Brasileiros, como Alcione, Alexandre Pires, Ivete Sangalo entre outros a lista é longa.

Primeiramente quero te agradecer por nos conceder essa entrevista exclusiva que estamos abrindo uma série de entrevistas com alguns artistas que estarão concorrendo ao oitavo Angola Music Awards. Fica a vontade para suas considerações finais.

Titica.Muito Obrigada pelo convite foi uma honra fazer entrevista com vocês.obrigada!Foto:Divulgação

Leave a Comment

Your email address will not be published.

Start typing and press Enter to search